Consultório São Paulo

Rua Alfredo Pujol, 545 - 9º Andar - Sala 91

Santana - São Paulo - SP

Consultório Indaiatuba

Rua Pedro de Toledo, 665 - 1º Andar - Sala 15

Centro - Indaiatuba - SP

© 2019 Criado Por Ágora Escritório de Comunicação  

  • Elizandra Souza

Adolescência tardia e o Facebook

Uma mãe me procura preocupada com sua filha, que está pulando de médico em médico para descobrir o que tem. Sintoma: um desânimo recorrente.

Diz que a filha não está trabalhando, nem se interessa por estudo nenhum. Não conseguiu terminar qualquer curso superior, apesar de ter ingressado em umas 4 faculdades. Também, nunca parou em emprego: acha que ninguém valoriza suas potencialidades e sua inteligência. Mas agora a mãe acha que no fundo ela "não quer nada da vida". Não corre atrás e joga a culpa nos outros.



A mãe começou a achar que alguma coisa errada havia com a filha quando, por indicação de uma amiga, criou uma conta no facebook e passou a visualizar o que a filha postava. A aparente independência, autonomia e desapego apresentados numa tela se confrontavam com sua real situação de comodismo, subordinação e mal humor.

No início, a mãe acreditou que a filha pudesse ter "dupla personalidade" ou estar sofrendo de "bipolaridade". Mas, logo, percebeu que não se tratava dessas patologias, "pois há uma consciência e coerência em seus modus operandi".  (Ela leu meu livro)

É uma pessoa que depende dos pais, que apesar de aposentados, ainda trabalham como professores universitários. Tudo o que possui foi dado ou é mantido pelos pais. No facebook ("o engodo da sociedade atual") se apresenta como uma pessoa feliz, divertida, extrovertida, simpática, amante da natureza, solidária, mas não diz nem bom dia para as pessoas que moram em casa. Não ajuda nos afazeres domésticos, mal arruma seu quarto. E é totalmente irresponsável.

Mostra-se, através de suas postagens, uma pessoa certa, amorosa e batalhadora, mas que sofre da inveja alheia, acreditando que os outros vivem formando planos para sua infelicidade ("até macumba"). Acredita nas forças das estrelas e da lua, e fala que o universo conspira ora a favor, ora contra ela, dependendo do quanto se mostra feliz aos invejosos - e diz que esse mal não a derruba (isso fez a mãe achar que a filha estava "com um parafuso a menos").

Não tem responsabilidade nem com relação à educação do filho (graças a Deus, único, diz a senhora). Diz a mãe: "parece uma adolescente, que acha que o mundo gira ao seu redor, que não quer assumir seus deveres e obrigações, não cuida nem de si mesma, acha que veio ao mundo para ser feliz e todo mundo tem obrigação de fazê-la feliz - é mais imatura que o próprio filho".

A essa altura, tive que parar a senhora, que falava incessantemente, para fazer uma pergunta básica: qual a idade da filha? Acreditava, obviamente, que se tratava de uma jovem adulta, ainda confusa com suas posições de filha, mãe, mulher, profissional. Mas eis que a resposta dada foi 48! Aos 48 anos (e com um filho de 16), essa mulher ainda não descobriu o quer da vida.

Infelizmente, esse não é um quadro incomum. E as redes sociais têm sido palco para essa bizarra atração. O adolescente tardio é aquele adulto que apresenta comportamentos e pensamentos, que anteriormente eram referidos ao adolescente comumente conhecido. São pessoas que não querem lidar com suas responsabilidades e obrigações, e não assumem suas escolhas, acreditando sempre que o outro deve bancar e confirmar sua posição.

Acreditam que precisam aproveitar "ao máximo" o que a vida tem de bom e ser feliz "custe o que custar", desde que na conta de outro. Como adolescentes, precisam mostrar isso ao mundo (através das redes sociais) - mostrar que são felizes, que são livres e independentes, que podem fazer o querem.

Não valorizam o trabalho do outro, e acham que o outro só tem certa posição profissional ou financeira por sorte ou por ajuda de um figurão, portanto, esse outro tem o dever de fazer por sua felicidade e mantença. Dessa forma, não assumem a condução da sua vida, pois não conseguem lidar com a resposta sobre si mesmo. Acham que não possuem deveres, somente direitos. São sujeitos que não produzem (nem intelectualmente), mas consomem demais (ótimo público para o mercado).

Mas o pior disso tudo, é que se há um sujeito nessa condição, obrigatoriamente há um outro sujeito que está bancando. Mas não é bancar somente no sentido financeiro, e sim no sentido subjetivo. No sentido de ser no mundo, de maturação. Parece que quanto mais se dá objetivamente, menos se constrói subjetivamente. Sobre o adolescente dizemos: os pais dão de tudo, tudo é muito fácil, acessível, os pais não dão limites e não exigem que tenham responsabilidade. E, parece, que esses adultos estão no mesmo barco. O que muda é a idade, e só.

Por tudo que lhe ofertado, há um tijolinho a mais na construção de uma acomodação quase patológica. Quiçá já se tornando patológica quando a busca por um desejo de viver, ser reconhecido e realmente atuar no mundo como ator principal, se esbarra na construção apaixonada e irracional de um direito subversivo que o coloca mais ainda como objeto social, como marionete do consumo da felicidade (ou de objetos que se enquadrem nesta necessidade), atuando como figurante na vida, que usam a justificativa do "coitadismo" como forma de manutenção dessa posição inerte e com a crença que somente os direitos lhe cabem.